Geomembrana para túneis para estação hidrelétrica em Niagara

Proteção contra infiltrações de água por meio da geomembrana para túneis

The Niagara Falls

Nome do projeto: Projeto do túnel Niagara
Data do projeto: 2009
Produtos: Geomembranas para túneis de PE-VLD de 3,0 mm com camada de sinalização de 0,2 mm

História

 

mais de 250 anos que a força do rio Niagara é usada. Para usar a altura de queda máxima possível, Adam Beck concebeu, no início do século XX, um canal com 20 km de comprimento. Este desviava-se ligeiramente por cima das quedas de água e transportava a água até à parte de baixo das cascatas do rio Niagara. A usina elétrica "Sir Adam Beck #1", com uma altura de queda de 89 m, foi colocada em funcionamento em 1922. Por conseguinte, ocorreram importantes ampliações nos anos 50. Desde 1954, 2 túneis alimentavam a usina elétrica "Sir Adam Beck #2" com água.

"Projeto do túnel Niagara"

 

Para ampliar a estação hidrelétrica trabalhou-se no Projeto do túnel Niagara de 2006 a 2013. O túnel começa acima da cascata e termina após 10,6 km no complexo Sir Adam Beck.

Desde o início que as condições geológicas especiais revelaram ser um grande desafio. Todo o túnel percorre a formação de Queenston, que é formada por várias camadas de arenito e xisto. O mais difícil é, sem dúvida, o xisto de Queenston que aumenta quando se encontra em contato permanente com água. Como resultado, podem ocorrer deslocamentos das formações geológicas e o solo sobre o túnel pode elevar-se e podem ocorrer terremotos. Por este motivo, o túnel deve ser construído de forma totalmente à prova de água.

Geomembranas para túneis

 

O uso de geomembranas plásticas de polímeros para revestimento do túnel é uma técnica de última geração usada há já muitos anos. A fase de construção e de instalação é especialmente crítica pois pode provocar danos nas geomembranas. Estes danos são muito difíceis de detectar e geralmente só são evidentes após a conclusão, quando ocorrem fugas. Até ao momento, as reparações são possíveis somente por meio de complexos trabalhos de injeção. Estes são dispendiosos e, por vezes, não são bem-sucedidos.

Assegurar a estanqueidade

 

Devido aos rigorosos requisitos, o túnel não pode entrar em contato com o xisto de Queenston, sendo necessário um sistema confiável para detectar danos na geomembrana. Em seguida, a AGRU desenvolveu, em colaboração com a STRABAG e a PROGEO, uma geomembrana de várias camadas sobre uma base de PE-VLD.

A nova geomembrana para túneis dispõe de uma camada interna condutora de eletricidade de polietileno, bem como de um velo condutor de eletricidade. Ambas as camadas condutores podem ser conectadas a um medidor, sendo que em um método automático, a tensão pode ser aumentada continuamente até 10.000 volts. Esta situação é possível somente quando a camada principal da geomembrana se encontra totalmente intata, uma vez que caso ocorram danos, a corrente passa entre ambas as camadas condutoras. A queda de tensão ocorrida, é detectada pelo medidor. Foram selecionados 10.000 volts, dependendo da resistência dielétrica do polietileno. Em seguida, este método não é detectado somente no orifício da camada, mas também uma espessura da parede significativamente reduzida da geomembrana para túneis.

Este sistema inovador oferece a possibilidade de verificar a superfície total das geomembranas para túneis após a instalação em estado seco. Ao contrário dos processos de verificação elétricos disponíveis até aqui, não é necessária qualquer camada de água para produzir condutividade elétrica. Existem outros métodos adicionais para detectar um erro, quando a água penetrar totalmente neste local.

Caso seja determinado um defeito na geomembrana para túneis, é possível aumentar a tensão até 14.000 volts, procedimento através do qual surgem faíscas continuamente entre as camadas condutoras de eletricidade nas posições com defeito. Desta forma, a temperatura aumenta nesta área e é possível localizar os danos com uma câmera de imagem térmica.

Com este progresso, é possível detectar antecipadamente (por ex., os mais reduzidos danos (por ex., orifícios provocados por agulhas) logo durante a instalação. Desta forma, é possível realizar os trabalhos de reparação antes de se betonar a estrutura interna.

Graças à excelente colaboração com a STRABAG e a ProGeo, este sistema foi instalado com êxito no Projeto do túnel de Niagara. O uso de novos métodos de verificação não se limita exclusivamente às geomembranas para túneis, mas também a outras áreas de aplicação como reservatórios de água, construção de tanques, coberturas em terraços. Este método pode ser usado para o monitoramento de fugas.

Para mais informações, consulte o Catálogo de produtos

Follow us

Agru on Facebook

Agru on YouTube

"Curta" nosso
site

Solicitar newsletter
agora